Conhecer a Chapada Diamantina era um daqueles objetivos que coloquei em uma lista especial. Marquei um “visto” ao lado assim que voltei de uma viagem de nove dias que incluíram a virada de ano, de 2010 para 2011. Porém esse réveillon, nada de fogos ou comemoração, eu virei dormindo. Estava muito cansado.

A Chapada Diamantina é um lugar sem igual, por isso, nos nove dias que passei por lá, tentei conhecer tudo o que era possível. Obviamente não consegui. Ainda bem, assim tenho sempre uma boa desculpa para voltar.

Eu na Fumaça - Chapada Diamantina

No topo da cachoeira da Fumaça – Chapada Diamantina

O Parque Nacional da Chapada Diamantina fica localizado no interior baiano e seu acesso principal é pela cidade de Lençóis. Com 38.000 km² de paisagens maravilhosas. Entre o Vale do Pati, o Cachoeirão e a cachoeira da Fumaça, não dá para deixar de comer uma pizza na pitoresca cidade de Vale do Capão e subir o Morro do Pai Inácio. Mas para tudo isso é preciso estar preparado, as trilhas são pesadas e exigem alto preparo físico. Também é importante, se escolher por fazer passeios guiados, contratar profissionais da Associação de Guias.

 

E como sempre, tudo muito organizado

Cheguei em Lençóis às 05:00 da manhã sem saber absolutamente nada! Fui abordado pelo pessoal que fica angariando turistas, cansado para dar qualquer atenção, resolvi procurar um lugar para dormir. Andei até um camping onde descansei deitado na grama e acordei algumas horas depois com alguns insetos me picando. Com as baterias recarregadas sai para dar uma volta na cidade encontrei o mesmo “guia” que tinha me abordado pela manhã. Senti confiança e marcamos a trilha da Fumaça por baixo saindo no dia seguinte.

Assim, sem nada para fazer, resolvi dar uma volta. Perguntando para o guia este me indicou que fizesse a trilha do Serrano que é um rio ao lado da cidade. Rio acima e com um bom tempo de caminhada, cheguei à cachoeira da Primavera onde conheci um casal de noivos de Recife.  Naiara (personal trainer) e Hélio (bonachão que adorava tirar fotos de flores) haviam contratado um guia local e me convidaram para fazer o tour com eles.

Serrano - Chapada Diamantina

Serrano – Chapada Diamantina

Cachoeira - Chapada Diamantina

Cachoeira – Chapada Diamantina

Com o casal conheci o Mucugezinho onde se encontra o Buraco do Padre e o Buraco do Diabo onde foi gravado uma das cenas do filme Besouro. Ao final da tarde fomos ver o sol se por em cima do Morro do Pai Inácio. Excelente!

 

Buraco do Padre - Chapada Diamantina

Buraco do Padre – Chapada Diamantina

Buraco do Diabo - Chapada Diamantina

Buraco do Diabo – Chapada Diamantina

Morro do Pai Inácio - Chapada Diamantina

Morro do Pai Inácio

Morro do Pai Inácio 2- Chapada Diamantina

Morro do Pai Inácio

Flor - Chapada Diamantina

Flor – Chapada Diamantina

Flor 3 - Chapada Diamantina

Flor 3 – Chapada Diamantina

 

Sempre superdimensionando a minha capacidade de carregar peso

No dia seguinte, fui cedo encontrar o guia e o pessoal que iria fazer a trilha da Fumaça. Os guias tentam de tudo para ganhar o cliente, nesse caso, me conquistou com o papo de que tinham duas garotas francesas no grupo. Chegando no ponto de encontro, havia dois francesEs (pai e filho) e um estadunidense. Todos carregavam pequenas mochilas com, basicamente, água e uma muda de roupas. E eu com minha preparação exagerada para tudo, com mais de 18 quilos de equipamentos. Ao final acabei simplesmente levando vários equipamentos “para passear”. Por exemplo, nem tirei minha barraca (de 3,5kg) da mochila.

Cachoeira 2 - Chapada Diamantina

Cachoeira – Chapada Diamantina

Indo dormir - Chapada Diamantina

Acampamento – Chapada Diamantina

Cachoeira do Palmital - Chapada Diamantina

Cachoeira do Palmital – Chapada Diamantina

A trilha é muito legal, especialmente quando se tem 3 vezes mais peso que o resto do grupo. Men, nosso guia, nos levou por três dias através da Serra do Veneno, dormindo em toca no Palmital – próximo a cachoeira do mesmo nome – subindo a serra do Macaco e a cachoeira da Fumaça. Esperando para o grande dia de finalmente ver a cachoeira da Fumaça, passamos o revellion em uma toca, mas antes jantamos costela de porco frita e lentilha. Muito cansado para aguentar ver a passagem do ano, fui dormir às 21:00.

Morro do Macaco - Chapada Diamantina

Morro do Macaco – Chapada Diamantina

No dia seguinte fomos rumo à base da Cachoeira da Fumaça, são 400 metros de queda d’água (uma da maiores do Brasil) e um espetáculo da Natureza. Logo depois fomos até o topo do paredão de onde a água despenca direto até o fosso da cachoeira. Sentado em uma pedra, com as pernas penduradas a 400 metros de altura, testei meu medo e admirei a paisagem.

Poço da cachoeira da Fumaça - Chapada Diamantina

Poço da cachoeira da Fumaça – Chapada Diamantina

Cachoeira da Fumaça - Chapada Diamantina

Cachoeira da Fumaça – Chapada Diamantina

Cachoeira da Fumaça -por cima - Chapada Diamantina

Cachoeira da Fumaça -por cima – Chapada Diamantina

Voltamos caminhando ao Vale do Capão para descansar, fiquei 2 dias lá porque havia caído feio e batido meu joelho. A cidade é muito pitoresca com uma vibe muito legal.

Vale do Capão - Chapada Diamantina

Vale do Capão – Chapada Diamantina

E finalmente o Vale do Pati

Para fechar a minha viagem com chave de ouro, queria conhecer o Vale do Pati, uma trilha de quatro dias no coração da Chapada Diamantina. Acabei conhecendo o Clei, um guia local, através de uma amiga. Esse cara simplesmente me deixou no chinelo com relação à equipamentos. Tudo que usava era sua pochete com um rádio à pilhas, uma camisa a mais e descalço. Não carregava nada além disso!

Igrejinha - Chapada Diamantina

Igrejinha – Chapada Diamantina

Partimos às 9:00 da manhã, o tempo estava um pouco nublado mas mesmo assim a vista do vale do Pati era muito linda. Conhecemos vários lugares impressionantes, mas dois momentos foram os mais importantes. O primeiro, no terceiro dia de caminhada, após uma pancada de chuva, chegamos ao Cachoeirão. Nesse momento não havia somente uma, mas 9 quedas d’água, uma ao lado da outra.

Cachoeirão Chapada Diamantina

Cachoeirão Chapada Diamantina

Cachoeirão 2 - Chapada Diamantina

Cachoeirão – Chapada Diamantina

Uma cena que ficou marcada na minha cabeça, a vista da ponta de uma pedra no negativo do paredão. Pensei: “Ainda vou fazer um BASE jump de lá! Legal que o Clei, mesmo já tendo estado lá várias vezes, pirou tanto quanto eu!

Cachoeirão com Clei - Chapada Diamantina

O guia Clei no Cachoeirão- Chapada Diamantina

O segundo momento foi no retorno ao Vale do Capão no final de tarde do vale do Pati, toda a chapada iluminada de forma maravilhosa. Comecei a pensar que viveria lá sem problemas!

 

Vale do Paty 1 - Chapada Diamantina

Vale do Pati – Chapada Diamantina

Vale do Paty 2 - Chapada Diamantina

Vale do Pati – Chapada Diamantina

Vale do Paty 3 - Chapada Diamantina

Vale do Pati – Chapada Diamantina

Vale do Paty 4 - Chapada Diamantina

Vale do Pati – Chapada Diamantina

Mais do que não vi na Chapada Diamantina 

A Chapada é muito grande e nessa viagem não pude conhecer tudo. Há outros lugares que convidam para mais uma, ou duas viagens. Quem sabe no próximo réveillon o MundoCrux não apresenta um desses::

Caverna da Torrinha

Caverna da Torrinha por marceloportella

Caverna da Torrinha por marceloportella

Poço Azul

Poço Azul por alvarescarvalho

Poço Azul por alvarescarvalho

 

Cachoeira do Buracão

Cachoeira do Buracão por decomendonca

Cachoeira do Buracão por decomendonca

Gruta da Pratinha

Gruta da Pratinha por rafagoes

About The Author

Mineiro radicado na cidade sorriso que, para quem não conhece, é Curitiba. Com 29 anos de idade, é formado em Engenharia Elétrica pela UFPR. Amante de tudo que envolve a natureza. Seus hobbies são: Paraquedismo, Montanhismo, Corrida, Ciclismo, Escalada (atualmente somente indoor) e principalmente viagens.

Related Posts

10 Responses

  1. Ivan Pigozzo

    Chapada Diamantina! Já estive lá e fiz praticamente o que voce fez. Lencois, Capao e vale do Pati em 9 dias também.
    Melhor lugar do Brasil, quisá do mundo! Só estando lá pra sentir o astral que o lugar traz! nao existe igual!
    Vlw!

    Responder
  2. Luiza Campello

    Excelente texto! Me deu uma vontade enorme de voltar lá!

    Há alguns anos, em 2004, estive na Chapada e fiz alguns destes passeios. A chapada conquista qualquer um que coloque os pés lá. Tem uma energia incrível. Nunca vou esquecer o incrível passeio na Gruta da Lapa Doce, que me marcou muito! Para mim ficou a promessa de um dia voltar para conhecer mais lugares, queria ir no Vale do Pati e na Cachoeira da Fumaça. A Chapada da Diamantina é um lugar inesquecível e obrigatório para qq pessoa que curta fazer atividades em meio à natureza! #Ficaadica!

    Responder
    • Marcos Mineiro

      Valeu Luiza! Totalmente de acordo. Queria ter passado o resto do mês por lá! Creio que é lugar obrigatório a qualquer mochileiro!
      BJ!

      Responder
  3. Theruco Kamizaki

    Aeee Marcos Mineiro … curti as fotos, o texto e a compartilho a vontade de morar na Chapada!! Quando estive por lá, em 2002, eu estava desempregada. Entre uma consultoria e outra que estava fazendo resolvi passar 10 dias trilhando!! Paixão amor loucura a primeira vista, com certeza!! Pensei em montar um restaurante japa em Lençóis (que naquela época não tinha, não sei hoje depois de 10 anos). Mas por fim, não rolou minha mudança pra lá. Mas a certeza de que é umdos lugares mais lindos do mundo e rota obrigatória para qualquer mochileiro. Além das trilhas que você percorreu deu tempo de eu conhecer: Gruta da Lapa Doce, Xique-Xique de Igatu (a machu pichu brasileira), Cachoeira do Sossego, Andaraí, Mucugê e seu cemitério bizantino – onde os restaurantes fecham na hora do almoço!! rs Ah e o poço encantando!! Faltou o Buracão, e acampar no castelinho, na trilha do Pati (que fiz em 2 dias!!!! 30km por dia)!! Sensacional!!! e a vontade de quero mais reacende quando leio, vejo, converso com quem esteve por lá também!!! Parabéns pela publicação. =)

    Responder
    • Marcos Mineiro

      Valeu Theruco! Obrigado mesmo!
      Eu queria ter feito bem mais coisa, eu estava planejando ir até Andaraí, conhecer a Pratinha (se não me engano) e voltar pra Lençóis. Só que um casal que estava comigo tiveram problemas (inexperiência) e tive que ajuda-los. Assim, tive que voltar pro Capão. Mas que bom, assim tem a velha desculpa de voltar!

      Comida japa em Lençois? Nossa, ia bombar! Precisa de sócio?

      Responder
    • Theruco Kamizaki

      nada mal este negócio lá não Marcos Mineiro ? mas, foi só um sonho que sonhei só….rs

      Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published.