Muitas pessoas acham que o Monte Roraima fica no Brasil, e na verdade elas estão certas! O fato é que não fica somente no Brasil. Nessa incrível formação rochosa situa-se a tríplice fronteira ente Venezuela, Brasil e Guiana.
Não precisa ser nenhum escalador profissional para escalar essa montanha, basta ter um preparo físico razoável e uma boa dose de disposição.

Geografia e História

O Monte Roraima é um platô, que também pode ser chamado de Tepui, com 31km² de área.  Está localizado na serra da Pacaraima, no extremo norte do Brasil, fazendo fronteira com Venezuela e Guiana. Ao contrário do que as pessoas pensam, o Monte Roraima não é o ponto mais alto do Brasil. Seu cume está a 2810m contra os 2993m do Pico da Neblina.

Os tepuis são formações rochosas extremamente antigas. Essas formações estendem-se em escarpas com 400 até 900 metros de altura.  A forte inclinação desse relevo fez com que sua conquista fosse relativamente recente, em 1884 pelo inglês Sir Everard im Thurn. Desde então, suas paisagens maravilhosas, quase surreais, vem encantando turistas do mundo todo. Quem já viu UP – Altas Aventuras vai sentir alguma familiaridade com a paisagem do Monte Roraima, até porque os desenhistas desse filme se basearam nas suas paisagens para criar o cenário.

Como fazer para conhecer

Para visitar o parque é obrigatório estar em um grupo de alguma agência de turismo (Turisticos Alvares, Mystic Tours, Roraima Adventure, etc). É possível encontrar agências em Boa Vista (RR) ou ir direto para Santa Helena de Uiarén na Venezuela onde pode-se encontrar preços bem mais em conta.

Os preços dos pacotes de 6 ou 7 dias podem variar de 1200 bsf até 4000 bsf (algo entre R$ 380 e R$ 1.200) dependendo do tipo de luxo que você quer. Como a região é maravilhosa, quanto mais tempo puder ficar lá, melhor. São basicamente 3 tipos de pacotes:

  • Pacote Econômico (de 1200 a 1500 bsf) – Você compra e transporta seus suprimentos e itens de acampamento além de armar sua barraca e preparar sua comida. Para fazer esse pacote deve estar bastante preparado física e mentalmente, porque o desafio é grande. Você vai se sentir “o pobre da montanha”, já que os europeus sempre escolhem o pacote luxo. Isso não importa porque é garantido que sua recompensa vai ser muito maior.
  • Pacote Médio (2500 a 2700 bsf) – As provisões são compradas pela agência mas você deve carregá-las, no entanto não precisa cozinhar e nem montar acampamento.
  • Pacote Luxo (de 3500 a 4000 bsf) – A sua única preocupação é caminhar e tirar fotos. Porteadores levam todo os equipamentos comunitários (barraca e comida) e preparam tudo. Esse é o jeito mais fácil, indicado para quem não está bem preparado fisicamente.

 

A trilha

São de seis a sete dias de trilha, onde os três primeiros de subida até o topo, dois dias de permanência e dois dias para retornar.

    • O primeiro dia se caminha bastante, sempre com o monte à sua frente, uma paisagem muito bonita e uma caminhada bastante forte, principalmente se está fazendo o passeio com o pacote econômico, as mochilas chegam a pesar 18 quilos. Ao final do dia se acampa no Rio Tek.

    • O Segundo dia é o mais difícil pois se sobe o dia todo, são quase seis horas de trilha com sol bem forte e inclinação interminável. Cada vez se aproximando mais da parede do Monte Roraima, o que faz com que a paisagem fique, passo a passo, mais bela. Ao final do dia o acampamento é na base do paredão.

    • O terceiro dia é o que exige mais do físico. Apesar de relativamente curto, deve-se “escalaminhar” os 500 metros de desnível do paredão até alcançar a parte alta da montanha (tepui). Esse caminho é simplesmente maravilhoso, não há como descrever essa subida. A energia do lugar é fora de série. Ao chegar no platô você se depara com cenários extraterrenos, com formações rochosas formando todos os tipos de desenhos e figuras. Após se deslumbrar com o fascinante lugar, acampa-se em um dos “hotéis” da região. Os hotéis são, na verdade, cavernas que te abrigam da chuva e do vento frio da noite.

  • Os Quarto e Quinto dias são os dias para explorar o tepui. Nesses dias se pode conhecer os vários pontos do platô. Se caminha bastante mas vale a pena cada caloria gasta. Pode-se conhecer o Pico Maverik, La Ventana, Tríplice Fronteira, Vale dos Cristales, as Jacuzis, o Santuário,  o Fosso, etc. Veja na galeria, ao fim do post, alguns desses lugares.
  • Os Sexto e sétimo dias são apenas para retornar de um sonho. A trilha de retorno é fácil, e cheia de nostalgia.

Dica

É um tanto quanto irresistível não dar aquele belo grito quando se está próximo ao paredão. No entanto, os nem sempre receptivos e bem humorados pemons (nativos de região), acreditam que sons altos atraem chuva. É sempre bom respeitar a cultura local, então, reserve o grito para depois, além do que, ninguém gosta de chuva na montanha, né?

Galeria

Dê um play no áudio abaixo e curta as imagens do Monte Roraima ao som da trilha de Into the Wild, fica ainda melhor!

About The Author

Mineiro radicado na cidade sorriso que, para quem não conhece, é Curitiba. Com 29 anos de idade, é formado em Engenharia Elétrica pela UFPR. Amante de tudo que envolve a natureza. Seus hobbies são: Paraquedismo, Montanhismo, Corrida, Ciclismo, Escalada (atualmente somente indoor) e principalmente viagens.

Related Posts

13 Responses

    • Mineiro

      Elisa, daqui pra frente, vai ter muita coisa legal! Vai ter matéria de todos os cantos da América!
      Valeu!

      Responder
  1. Ana Mascarenhas

    Para qualquer leigo sentir uma vontade enorme de se aventuar em uma dessas paisagens!

    Responder
  2. Gilvanne Viana

    muito,muito, lindo é muito perfeito só as mãos de Deus pra fazer toda essas obras maravilhosa é muito impressionante toda as suas beleza….essa é minha Roraima.

    Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published.