O Deserto do Atacama está situado no norte do Chile e é um dos principais destinos turísticos do país, um lugar que realmente vale a pena ser incluído na sua listinha de “lugares a conhecer”.
Diferente do que se pode imaginar, o Atacama não é um deserto feito apenas de areia, nele é possível encontrar os mais diferentes cenários. Experimente colocar em um mesmo local do planeta: formações rochosas, lagunas de água doce, vulcões, águas termais, areia, oásis, pequenos vilarejos, lagunas salgadas, gêiseres e sal, muito sal. Acrescente ainda lhamas, vicunhas, flamingos e uma variação térmica de até 30° entre o dia a e noite, com um clima sempre seco. O Deserto do Atacama é tudo isso e um pouco mais!

Texto e Fotos: Luiza Campello
 

Viajantes no Valle de la Luna
Vicunhas em seu ambiente natural
Pôr do sol no Vulcão Licancabur
Atividade geotérmica nos Gêiseres El Tatio
Socaire, mais um povoado em meio ao deserto

Localizada a cerca de 1.670km ao norte de Santiago, a cidade que serve de base para os passeios na região do Atacama é a pequena San Pedro de Atacama. Aos 2.400 metros de altitude e com quase 5.000 habitantes, grande parte vivendo exclusivamente de turismo. É possível imaginar que alguns anos atrás a cidade não passava de um pequeno vilarejo perdido em meio ao deserto, com seu ar pacato e tranquilo. No entanto, com a chegada do turismo, muitas coisas mudaram por ali e atualmente San Pedro passa o ano inteiro repleta de turistas de todas as partes do mundo, falando todas as línguas que se possa imaginar. Felizmente algumas características primárias, como por exemplo, as típicas casas de adobe, ainda são preservadas.

San Pedro de Atacama, cidade base para os passeios
Em San Pedro, construção típica de adobe

Como se pode imaginar, em um lugar para onde vão tantos turistas, há muito para se conhecer. Possivelmente o passeio mais tradicional é aquele que leva para o Valle de la Muerte e Valle de la Luna. Ambos estão localizados na cordilheira de sal, próximos à cidade de San Pedro. Muitas pessoas inclusive vão até o local alugando bicicletas na cidade. Mas, para quem não quer o esforço, existe vans que fazem o passeio todos os dias.
Sobre o nome do Valle de la Muerte, há uma série de teorias, mas a única certeza é que o visual do lugar, com o vale abaixo e a cordilheira ao fundo, é deslumbrante.

Vista geral do Valle de la Muerte
Camadas estratigráficas no Valle de la Muerte
 

Já o Valle de la Luna tem esse nome devido às formações que dão uma impressão de estarmos caminhando na lua. Todo o branco que você vê pelo chão não é gelo, nem areia, é tudo sal, que está incrustado nas rochas e espalhado pelo chão. Esses passeios costumam ser feitos na parte da tarde, para culminar com o pôr do sol. À medida que o sol vai descendo no horizonte, as rochas vão se iluminando com diferentes tonalidades que vão do laranja ao roxo. A paisagem é impressionante. Realmente, de tirar o fôlego. Quando o sol completa seu ciclo diário é hora de regressar para San Pedro.

Formações rochosas do Valle de la Luna
Duna em meio ao deserto do Atacama
Pôr do sol no Valle de la Luna
No deserto, chão coberto de sal

Outro passeio 100% imperdível é para conhecer os Gêiseres El Tatio, um dos atrativos mais inusitados na região. O passeio costuma sair pelas 4h da manhã, quando geralmente faz temperaturas negativas, independentemente da época do ano. Para ir até o local são 3h dentro de uma van que mais parece estar participando de um rally. Mas, ao chegar lá, tudo compensa. Quando começa a amanhecer, você vê aquele campo de gêiseres, com fissuras no chão, de onde sai água fervente e vapores de dentro da terra. O espetáculo principal, quando os vapores atingem até 10m de altura, acontece somente com temperaturas negativas, por isso a necessidade de chegar cedo. Quando começa a esquentar a atividade geotérmica começa a diminuir. Para quem quiser (ou tiver coragem) ainda é possível tomar banho nas águas térmicas de uma piscina natural que se formou na região.

Amanhecer nos Gêiseres El Tatio
Colunas com dezenas de metros de altitude
Paisagem natural com Geisers
Piscina térmica natural

No retorno, alguns passeios passam por Machuca, um pitoresco povoado situado a 4.000 metros de altitude em meio ao deserto. Hoje em dia ele está praticamente abandonado, quase ninguém vive ali. Mas existe um senhor que serve churrasquinho de carne de lhama para os turistas que passam na região – culinária típica que vale ser provada.

Machuca, povoado desolado em meio ao deserto
Casas típicas de Machuca
Churrasquinho de Lhama

O passeio do Salar de Atacama e das Lagunas Altiplânicas é outro que não pode ficar de fora de uma visita ao deserto. Antes de chegar ao Salar, o roteiro passa por alguns lugares interessantes como a Quebrada de Jere, um verdadeiro oásis natural em meio ao deserto e o povoado de Toconao, mais uma pequena vila em meio ao deserto.

Quebrada de Jere, um pequeno oásis
Rio natural em meio à Quebrada de Jere
Lhamas domesticadas em Toconao

Na sequência, a parada seguinte é no Salar de Atacama, o maior depósito de sal do Chile. O lugar é belíssimo e impressionante, tudo que você vê ao redor é sal. Sua beleza e extensão não podem ser comparadas a outros salares, como por exemplo o Uyuni (na Bolívia). Mas para quem nunca esteve cercado de sal por todos os lados, a própria ideia de que tudo isso um dia foi mar é realmente interessante. No local normalmente é possível ver flamingos e outras aves que se fazem presentes para enfeitar a paisagem.

Caminhos em meio ao Salar de Atacama
Cenário geral do Salar de Atacama
Flamingo em seu ambiente natural

Ao final se chega às Lagunas Miñiques e Miscanti, conhecidas como Lagunas Altiplânicas. Situadas a 4.200 metros de atitude, as lagunas estão praticamente uma ao lado da outra. Ambas integradas a um cenário cujo azul escuro das suas águas contrasta com o gelo, a terra, a vegetação típica e o vulcão Miñiques ao fundo. Como tudo no deserto do Atacama, uma paisagem exuberante.

Cenário junto às lagunas altiplânicas
Vulcão e Laguna Miscanti
Zorro, em seu ambiente natural

Por fim, outro passeio interessante é para a Laguna Cejar, Ojos Del Salar e Laguna Tebenquiche. O roteiro acontece em um veículo 4×4 que, primeiramente, leva as pessoas na Laguna Cejar – que possui águas geladas e com tanto sal que as pessoas ficam apenas boiando e é impossível mergulhar. Na sequência, o passeio vai para os Ojos Del Salar – dois lagos redondos e profundos. E, por fim, o passeio termina com o pôr do sol na Laguna Tebenquiche – também cercada de sal por todos os lados.

Reflexo nas água dos Ojos del Salar
Laguna Tebenquinche e sal
 

O Chile é um país extenso e repleto de cenários e culturas para ser desvendados. O Deserto do Atacama é apenas um desses destinos, mas possivelmente é um dos mais interessantes. É aquele local certeiro, não tem como um viajante ir para lá e não aproveitar demais. Mas, claro, tenha em vista que não é um destino luxuoso. Vá preparado para uma infraestrutura mais rústica, como é de se esperar de um destino situado em meio a um deserto.

Importante ressaltar que, além destes passeios descritos, ainda existem outros e que nem todos os roteiros vendidos pelas agências em San Pedro serão necessariamente como foi relatado, pois há variações entre algumas operadoras.

Luiza em meio ao Deserto do Atacama

Luiza
Porto Alegrense, formada em turismo, amante da natureza e de qualquer aventura que apareça pela frente, desde que não tenha nenhum boi no meio do caminho. Seu objetivo de vida é perambular pelo mundo com uma mochila nas costas, uma máquina na mão e um bloquinho a tiracolo, registrando tudo que vê pela frente para depois compartilhar com outros aventureiros.

About The Author

mm

Porto Alegrense, formada em turismo, amante da natureza e de qualquer aventura que apareça pela frente, desde que não tenha nenhum boi no meio do caminho. Seu objetivo de vida é perambular pelo mundo com uma mochila nas costas, uma máquina na mão e um bloquinho a tiracolo, registrando tudo que vê pela frente para depois compartilhar com outros aventureiros.

Related Posts

5 Responses

  1. Janete Barbosa

    Bah, depois desse roteiro superinteressante e dessas fotos maravilhosas dá uma supervontade de ir pra lá! Que lugar fantástico e é aqui na América do Sul, nosso vizinho. Tem mais é que arranjar uns bons agasalhos, um óculos de sol e botar os pés na estrada.

    Responder
  2. Lene Con

    olá, gostei da sua página e quero te fazer perguntas, eu não notei nas imagens "areia" como em outros desertos, isso é algo característico?

    Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published.