O PARNA (Parque Nacional) dos Lençóis é uma vasta área de areias e lagoas que fica situada no norte do Maranhão. O principal local base para os passeios é Barreirinhas, uma cidadezinha bem charmosa, localizada na beira do Rio Preguiças e que praticamente vive do turismo. Ou seja, se você busca descanso e preços acessíveis, fuja da alta temporada que vai de junho a agosto, mas também não vá durante o verão, quando as lagoas estão vazias.


Visualizar Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses em um mapa maior

Com o forte desejo de conhecer o parque e descobrir os encantos da natureza desta região, em maio de 2012, aproveitei a oportunidade de ir a São Luis para participar de um congresso e acabei separando 5 dias para emendar uma rápida viagem pelos Lençóis. O objetivo era conhecer o máximo possível, dentro do pouco tempo e dinheiro que possuía.

A escolha da pousada foi feita praticamente pelo preço. O meu quarto era o mais simples que havia, com uma cama, um ventilador e um banheiro (e uma TV 100% dispensável). Mas, quando eu abri a janela, e descobri que ela dava direto para o Rio Preguiças (e do outro lado só havia mato) tive um único pensamento: Podia ficar ali para sempre (ou quase isso).

Rio Preguiças

Rio Preguiças

Existem inúmeros passeios que se pode fazer saindo de Barreirinhas. A ideia era fazer dois bem clássicos: um deles para caminhar nas dunas e conhecer as lagoas, e outro que vai de barco pelo Rio Preguiças passando e parando em povoadinhos bem simples (e ao mesmo tempo já bem adaptados a receber os turi$ta$).

O primeiro passeio que fiz foi o mais básico, é aquele que leva as pessoas para caminhar nas dunas e tomar banho nas lagoas de água doce formadas na época de chuvas. Esse passeio é realizado em veículos 4X4 que, durante 40 minutos, percorrem trilhas de areia em meio a uma belíssima paisagem de caatinga e cerrado. Terminada a parte tracionada é hora de tirar os calçados e caminhar pelas dunas, curtindo um visual que varia entre natureza morta, lagoas cheias, lagoas vazias e areia, muuuita areia.

Era período pré-alta temporada e, portanto, as lagoas ainda não estavam cheias. Porém, é fato que, mesmo com elas não tão cheias, a paisagem era linda igual. Durante a caminhada, percorremos grandes dunas e passamos pela Lagoa Azul, a Da Paz e outras menores. Mas, o banho mesmo, foi na Lagoa do Peixe, que é uma das maiores e fica com água o ano inteiro.
Na volta, antes de pegar a balsa, têm uma série de tendinhas que vendem artesanato e a melhor tapioca que já comi na vida. Ta certo que o passeio dá fome, mas essa era mesmo excelente!

Banho na Lagoa do Peixe

No segundo dia, o passeio foi pelo Rio Preguiças. Embarcamos em uma voadeira (pequena lancha de motor potente) e descemos o rio, rumo à foz. Foram três paradas: a primeira, na comunidade de Vassouras, cujo o principal atrativo são os macaquinhos prego que vivem no local, bastante simpáticos e abusados. As pessoas que ali vivem são muito simples, vivem da pesca, dos artesanatos e do turismo. Mas, em um papo tranquilo com um pescador, logo deu pra notar que o turismo nem sempre é bem-vindo. A segunda parada foi na vila de Mandacarú, onde é possível visitar o alto do Farol Preguiças de onde se tem uma bela vista da região. E a terceira e última parada, foi na vila de Caburé, localizada em um istmo entre o rio e o mar, onde é possível tomar banho de mar, banho de rio, almoçar e ainda tirar uma soneca no redário especialmente feito para um relax antes ou depois do almoço.

Vista do alto do Farol Preguiças

No terceiro dia eu decidi ir para Atins, outro povoado, ao lado da foz do Rio Preguiças, que está parcialmente fora da rota turística.
Após visitar agências e pousadas, em busca de informações sobre como chegar ao local, a conclusão foi que, infelizmente, não há informações precisas ao turista para isso, pois as agências não têm interesse que os turistas cheguem lá independente delas. No dia e horário que eu queria ir, a única maneira encontrada foi contratar um passeio que fosse para lá e, no final do dia, ao invés de voltar, eu ficaria lá (e como eu faria para voltar, foi um problema que deixei para resolver depois). O melhor de tudo é que, o passeio que contratei para chegar até Atins, era maravilhoso. É conhecido como o passeio da Lagoa Verde, a lagoa mais bonita de todas.

Depois de fazer a travessia do parque pelas trilhas de areia em meio à caatinga, enfim chegamos à vila de Atins. Após um giro rápido pelo povoado extremamente rústico, fomos rumo ao nosso objetivo: caminhar até a Lagoa Verde. E, avistá-la em meio a tantas dunas de areia branca, foi como uma visão. O lugar é realmente lindo e o banho então, maravilhoso! Vale a pena dar a volta a pé na lagoa e bater fotos de vários ângulos. No final do passeio, o guia me levou de volta à vila de Atins e o 4X4 foi embora. Como já era final do dia, fui caminhar pela praia e observar o belo pôr do sol.
E quê pôr do sol!

Lagoa Verde, a mais maravilhosa

Pôr do Sol em Atins

Em uma vila simples, longe de tudo e de todos, apenas com sons da natureza, sem barulho ou poluição ao redor e um belo céu estrelado, tive uma noite como poucas.

No dia seguinte, acertei com um guia que me levou para conhecer um lindo igarapé, onde era possível tomar banho. O guri era uma excelente fonte de informações e me ensinou tudo sobre o local: história, cultura, passeios, etc.
Passei o resto do dia relaxando, caminhando sem rumo pelas ruelas de areia, pelas dunas e pela praia, só curtindo a paisagem e o prazer do ócio. No final das contas, ainda consegui um 4X4 para voltar para Barreirinhas no outro dia, às 5h da matina (!), quando me despedi do pequeno paraíso de Atins.

Valores de referência (maio/2012)

Pousada em Barreirinhas – R$50 (quarto simples individual)
Passeio da Lagoa Azul (o mais tradicional) – R$50 (meio turno e sem alimentação)
Passeio Rio Preguiças – R$50 (ocupando manhã inteira e parte da tarde e sem alimentação)
Almoço em Caburé (no passeio do Rio Preguiças) – cerca de R$65 o prato para duas pessoas.
Passeio Lagoa Verde (Atins) – R$100 (passeio de dia inteiro e sem Alimentação)
Almoço no Canto de Atins (no passeio da Lagoa Verde) – cerca de R$ 25 o prato para uma pessoa.
Trasporte Barreirinhas – Atins (em toyotas) – R$50
Trasporte Barreirinhas – São Luis (ônibus de linha regular ) – R$28

About The Author

mm

Porto Alegrense, formada em turismo, amante da natureza e de qualquer aventura que apareça pela frente, desde que não tenha nenhum boi no meio do caminho. Seu objetivo de vida é perambular pelo mundo com uma mochila nas costas, uma máquina na mão e um bloquinho a tiracolo, registrando tudo que vê pela frente para depois compartilhar com outros aventureiros.

Related Posts

One Response

Leave a Reply

Your email address will not be published.